As aves da Serra do Japi se reproduzem no verão, época em que as espécies migratórias são encontradas na região. As primeiras espécies a se reproduzir são as frugívoras e as insetívoras, seguidas das espécies granívoras. As aves são importantes dispersores de sementes, e um exemplo disso, a dispersão das sementes do mandacaru, feita por um sanhaço, foi estudado na Serra. Algumas espécies ameaçadas são avistadas no Japi, o que aumenta sua importância conservacionista.

A avifauna da Serra do Japi é rica, o que é intensificado por sua condição de transição entre as matas de encosta litorâneas e as matas do planalto paulista, e alguns exemplos ilustram esse fato. Willis & Oniki (1981), trabalhando em 13 áreas do Estado de São Paulo, observaram que o único local onde a pomba-amargosa Columba plumbea, típica da Serra do Mar, e a pomba-pocaçu C. cayennensis, típica do interior do Estado, ocorrem juntas é a Serra do Japi. Outro exemplo, de acordo com Silva (1992), é o dos beija-flores Phaethornis pretrei e P. eurynome. O primeiro ocorre no interior do Estado e na Serra ocupa as áreas mais abertas, enquanto que o segundo é comum na Serra do Mar e no Japi habita as áreas de floresta.

Silva (1992), além de apresentar uma lista da maioria das espécies de aves da Serra do Japi, discute aspectos da composição dessa avifauna em relação ao estado de conservação da Serra, bem como fornece informações sobre a época de reprodução e deslocamentos migratórios dessas espécies. Este mesmo autor (1983, 1988) estudou a dispersão de sementes de mandacaru no Japi e observou que esta é feita por espécies de aves.

As famílias Psittacidae, Dendrocalaptidae, Cotingidae, Trogonidae e Ramphastidae são compostas de espécies cuja dieta é relativamente especializada, seja ela constituída de frutos, sementes ou insetos. Essas famílias destacam-se entre as menos representadas ou até mesmo ausentes na Serra do Japi, o que pode ser um indicativo do alto grau de perturbação dessa área. Grandes frugívoros como surucuás, tucanos, arapongas, pavós e saíras podem ter escasseado ou desaparecido da Serra por falta de alimento. É possível que o Japi não possua uma diversidade de espécies de árvores suficiente para manter populações viáveis dessas espécies, o que explicaria sua baixa freqüência ou ausência.

A época reprodutiva da maioria das espécies de aves da Serra do Japi ocorre durante a estação chuvosa, de outubro a março, quando há maior abundância de recursos (insetos, frutos e sementes). Alguns exemplos de aves que se reproduzem nessa época são a mariquita-de-sobrancelhas-brancas Basileuterus leucoblepharus, que constrói seu ninho no chão da mata, e o joão-de-barro Furnarius rufus, que constrói seu ninho em árvores nas áreas abertas. Entre as aves noturnas, a mãe-da-lua Nyctibius griseus é ouvida com freqüência nas clareiras e bordas da mata nessa época. O andorinhão Cypseloides fumigatos, uma exceção a esse padrão, foi observado nidificando em abril, início da estação fria e seca. De modo geral, a reprodução das aves insetívoras e frugívoras da Serra do Japi começa a declinar em janeiro. Por outro lado esse mês representa o pico de reprodução das aves granívoras, pois é quando as sementes das gramíneas já estão maduras e próprias para o consumo por parte dessas aves, entre elas coleirinhos, tizius, tico-ticos e rolinhas.

A maioria das espécies de aves migratórias da Serra do Japi permanece na área apenas durante os meses de verão. Entre as principais espécies que seguem esse padrão, destacam-se o gavião-sauveiro Ictinea plumbea, o taperá Chaetura andrei e a tesourinha Muscivoratyrannus. A única ave migratória observada regularmente no inverno é a maria-preta-de-bico-azulado Knipolegus cyanirostris. Um estudo interessante sugerido por Silva (1992) é a observação de migrações verticais entre a mata de altitude e a mata das áreas mais baixas da Serra, o que já foi observado em outras montanhas do sudeste brasileiro.

Algumas das espécies de aves encontradas na Serra do Japi correm sério risco de desaparecimento em outras regiões de São Paulo ou mesmo do país. O urubu-rei Sarcoramphus papa, por exemplo, que tem sofrido uma drástica redução populacional no Sudeste brasileiro, foi avistado no Japi. Também foi avistado na Serra o gavião-pega-macaco Spizaetus tyrannus, já bastante raro no interior do Estado, bem como a jacutinga Pipile jacutinga (D’Angieri 1988), que consta da lista de espécies ameaçadas do Brasil.

Silva (1983, 1988) observou que a dispersão de sementes no mandacaru Cereus peruvianus na Serra do Japi é feita por aves. Os frutos desse cacto, quando maduros, são suculentos e apresentam coloração amarela, alaranjada ou vermelha, características preferidas pelas aves frugívoras. Foram observadas 17 espécies de pássaros visitando a planta e consumindo os frutos, sendo o sanhaço Thraupis sayaca a mais freqüente. Essa espécie é apontada como o principal dispersor na área de estudo em função da freqüência de suas visitas e da capacidade de defecar sementes com condições de germinar. Os fringilídeos Zonotrichia capensis e Coryphospingus cucullatus são predadores dessas sementes, pois a maioria delas parece ser destruída no tubo digestivo dessas aves. Foram observados encontros agressivos entre as espécies que visitaram a planta e, no caso do sanhaço T. sayaca, um encontro agressivo entre dois indivíduos dessa espécie.

Referências Bibliográficas:

D’ANGIERI, A. 1988. WPA Brazil. WPA News 21: 20.

SILVA, W. R. 1988. Ornitocoria em Cereus peruvianus (Cactaceae) na Serra do Japi, Estado de São Paulo. Revta. Brasil. Biol. 48(2): 381-389.

SILVA, W. R. 1983. Polinização e dispersão de Cereus peruvianus Miller (Cactaceae) na Serra do Japi, Estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

SILVA, W. R. 1992. As aves da Serra do Japi. In História Natural da Serra do Japi: ecologia e preservação de uma área florestal no sudeste do Brasil. (L. P. C. Morellato org.), Editora da Unicamp, Campinas.

WILLIS, E. O. & ONIKI, Y. 1981. Levantamento preliminar de aves em treze áreas do estado de São Paulo. Revta. Brasil. Biol. 41: 121-135.

Clique nas fotos abaixo para ver a galeria ampliada ou Clique no link ao lado para ver a lista de aves já catalogadas: Lista de Aves da Serra do Japi e entorno