Título do trabalho: Evolução Cenozóica da Região de Jundiaí (SP)        

Área do conhecimento: Geologia

Autora: Mirna Aparecida Neves (e-mailmirnaan@rc.unesp.br)

Local: UNESP — Rio Claro

Modelo digital do terreno mostrando o controle estrutral sobre a morfologia da area de Jundiaí

NEVES, M.A; EBERT, H.D.; MORALES, N. -2000- Modelo digital do terreno da região de Jundiaî (SP). Imagem gerada no Laboratório de Computação Gráfica, Setor de Modelagem 3-D, do DPM/IGCE/UNESP/Rio Claro, a partir de dados de Neves, M.A., 1999, Evolução Cenozóica da Região de Jundia’ (SP), Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Geociências/IGCE/UNESP, Rio Claro, 135 p.

RESUMO

Neste trabalho é apresentado um estudo das relações existentes entre a ocorrência de depósitos sedimentares nos arredores de Jundiaí (SP) e o papel das falhas e fraturas na sua formação, deformação e preservação, objetivando a investigação de alguns eventos sucedidos na evolução cenozóica da região.

Os métodos utilizados envolvem a extração de informações de bases cartográficas, de fotografias aéreas e imagem de satélite; a obtenção de informações litoestratigráficas para interpretações paleoambientais e a coleta de dados estruturais para o estudo do controle estrutural sobre os depósitos sedimentares, sobre a morfologia do terreno e para o cálculo de tensores.

O embasamento pré-cambriano é composto basicamente por gnaisses com grau variável de migmatização e intercalações de quartzitos, xistos, anfibolitos, gonditos e metaultrabasitos incluídos no Complexo Amparo ou Itapira e, de forma mais restrita, filitos pertencentes ao Grupo São Roque. Intrusões granitóides são bastante comuns na região, predominando, na área, o Complexo Granitóide Itu.

Recobrindo o embasamento, aparecem depósitos paleozóicos correlacionados com o Grupo Itararé, constituídos por diamictitos, folhelhos, ritmitos, argilitos e siltitos. Estas rochas formam corpos isolados, embutidos no embasamento cristalino por falhas normais.

Depósitos terciários, compostos por diamictitos, conglomerados, arenitos e argilitos também ocorrem sob a forma de corpos isolados, preservados pela presença de níveis conglomeráticos basais, mais resistentes à erosão, ou devido a falhamentos que ocasionaram abatimento e basculamento de blocos. São definidas nove fácies sedimentares formando associações que sugerem a existência de um antigo sistema de leques aluviais, sob clima semi-árido, com área fonte na Serra do Japi.

Os depósitos coluvionares compõem uma cobertura formada por material inconsolidado, constituído por uma linha de pedras basal recoberta por sedimentos areno-argilosos com grânulos de quartzo milimétricos e angulosos dispersos. São amplamente distribuídos pela área e o controle estrutural na forma dos corpos é marcante.

Ocorrem também depósitos aluvionares formados por cascalhos, areias e argilas, depositados ao longo das drenagens principais da bacia do rio Jundiaí.

Estas unidades se distribuem ao longo de uma zona topograficamente rebaixada, limitada pelos altos topográficos correspondentes à Serra do Japi, Serra do Jardim (e elevações associadas), Serra dos Cristais e o Maciço Granítico Itu. Estes altos se associam a escarpas de falhas com direção predominantemente NW-SE e subordinadamente NNE-SSW a NE-SW e E-W.

Tais falhamentos, juntamente com as fraturas associadas, também controlam a instalação do sistema de drenagem, porém com o predomínio das orientações E-W e N-S sobre as NE-SW e NW-SE.

Os resultados alcançados apontam para um quadro onde o desenvolvimento de falhas normais NE-SW, sob o regime distensivo NW-SE presente na abertura do Oceano Atlântico, ocasionou o abatimento de blocos de rochas paleozóicas no embasamento cristalino, possibilitando sua preservação.

Com a deriva da placa Sul-Americana para oeste, há implantação de um binário transcorrente dextral com s 1 NW-SE horizontal, s 2 vertical e s 3 NE-SW horizontal. Este arranjo de tensões provoca o desenvolvimento e/ou a reativação de falhas normais NW-SE, falhas transcorrentes E-W e inversas NE-SW.

O desnível formado entre o bloco central abatido e as elevações da Serra do Japi desencadeia o desenvolvimento de um sistema de leques aluviais, dando origem aos depósitos terciários. Com a progressão dos falhamentos e o constante soerguimento da área, as seqüências sedimentares são erodidas, ficando preservados alguns restos isolados devido ao abatimento e basculamento de blocos por falhas normais. Concomitantemente, ocorre a formação das coberturas coluvionares oriundas da erosão destes e de outros litotipos presentes.

Todas as unidades estão sendo erodidas atualmente e os sedimentos são depositados nas planícies aluvionares das drenagens principais. A acumulação é induzida pela presença de uma barreira litológico/estrutural representada pelo Maciço Granítico de Itu, cujas escarpas são conseqüência dos falhamentos acima descritos.

ABSTRACT

The existing relations between sedimentary deposits of the Jundiaí (SP) region and the role of faults and fractures in their formation, deformation and preservation are examined, with the aim to investigate the Cenozoic events which occurred in the region.

The applied methodology includes cartographic information for examining terrain morphology accompanied to interpretation of aerial photographs and satellite imagery; lithostratigraphic data for interpreting paleoenvironments and structural data for interpreting the structural control of sedimentary deposits, and tensor calculations.

The Precambrian basement of the area is composed of gneisses with variable degrees of migmatization as well as interlayers of quartzites, schists, amphibolites, gondites and metaultrabasics rocks included in the Amparo (or Itapira) Complex and, in a more restricted form, phyllites belonging to the São Roque Group. Granitic rocks are very common in the region, predominating the intrusions of the Itu Complex.

Paleozoic deposits cover the basement, which are correlated with the Itararé Group, constituted by diamictites, shales, rhythmites, mudstones and siltstones. These rocks form isolated bodies embedded in to the crystalline basement by normal faults.

Tertiary deposits, comprised of diamictites, conglomerates, sandstones and mudstones also occur in the form of isolated relicts, preserved by the presence of levels of basal conglomerates, more erosion resistant, or due to faulting which produced tilting and subsidence of the blocks. Nine sedimentary facies are defined forming associations that suggest the existence of an ancient system of alluvial fans deriving from the Japi Range, under semi-arid climate.

The colluvionary deposits comprise a covering formed by unconsolidated material, and consist of basal stone lines recovered by sandy and clayish sediments with disperse quartz millimetric angular grains. These are well distributed through the area and the structural control in the form of bodies is remarkable.

Alluvionary deposits also are present which are formed of gravels, sands and clays, deposited along the principal drainages of the Jundiaí River Basin.

These units are distributed along a topographically lowered zone, delimited by higher topographies corresponding to the Japi Range, Jardim Range (and associated elevations), Cristais Range and to the Itu Granite Massif. These higher elevations are associated to fault escarpments striking predominantly NW-SE and subordinately NNE-SSW to NE-SW and E-W.

These faults and the associated fractures also control the installation of the drainage system, which is more predominantly oriented E-W and N-S than NE-SW and NW-SE.

These results suggest a scenario where the development of normal NE-SW faults occasioned the subsidence and preservation of blocks of Paleozoic rocks into the crystalline basement, under a distensive NW-SE regime present in the opening of the Atlantic Ocean.

After the opening and during the plate drifting towards West, a transcurrent dextral binary is implanted with an horizontal s 1 NW-SE, and a vertical s 2and an horizontal s 3 NE-SW. This stress regime stimulates the development and/or reactivation of the normal NW-SE faults, transcurrent E-W faults and NE-SW reverse faults.

The unevenness formed between the central collapsed block and the elevations of the Japi Range triggers the development of a system of alluvial fans giving rise to the Tertiary deposits. With faulting progression and the continuous uplifting of the area, the sedimentary sequences was eroded and are now preserved only in some isolated remains over the tilted and buried blocks by normal faults. Concomitantly, the formation of the colluvionary covers originating from the erosion of these and other lithotypes present occurs.

All units are being actually eroded and sediments are deposited in the flood plains of the principal drainages. Its accumulation is induced through the presence of a lithological/structural barrier represented by the Itu Granite Massif, whose faces are the consequence of the previously mentioned faulting.